Mulher Maravilha

Direção: Patty Jenkins

Elenco: Gal Gadot, Chris Pine, Robin Wright, Danny Huston, David Thewlis

Gênero: Ação, Aventura, Fantasia

Nacionalidade: EUA

Ano de lançamento: 2017

Diana, princesa das Amazonas, cresceu rodeadas por mulheres fortes e guerreiras na isolada ilha de Themyscira. Um dia, o avião de Steve (Chris Pine), um espião britânico, afunda no mar e ela o salva da morte – é a primeira vez que ela vê um homem. Por meio dos relatos feitos por ele, Diana aprende que o mundo está em guerra. Acreditando que tudo é obra do vingativo Áries, deus da guerra, toma como missão destruí-lo e restaurar a paz.

Diana ajuda Steve a fugir das Amazonas com a condição de que ele a coloque na linha de frente da batalha. A moça foi criada em um meio muito diferente da sociedade moderna e por isso questiona costumes e atitudes do mundo ocidental, arrancando risadas do público. Diana é forte, determinada, instruída, honesta, amorosa e justa, porém ainda pouco sabe sobre as nuances, por vezes bem escuras, do caráter humano. A atriz Gal Gadot (que já apareceu nas telonas como Gisele em “Velozes e Furiosos”) encarna a personagem de forma tão… maravilhosa e natural, que é impossível não encantar-se e inspirar-se.

Muito desse poder também tem a ver com o fato da direção ter ficado ao cargo de outra mulher, Patty Jenkins. Diana é uma Amazona no sentido mais literal e mundano da palavra, mas sem exageros e sem ser hiper sensualizada. Ela não está lá para agradar aos homens, mas sim para vencer uma batalha. A galera na internet está até comemorando o fato de que as coxas balançaram em uma cena em fez um pouso. Talvez a imagem de Diana não seja revolucionária por ainda se enquadrar nos “padrões de beleza” modernos (e da HQ), mas é sim menos artificial. Precisamos de mais protagonistas como ela.

O filme tem 2h30 de duração e consegue manter um ritmo interessante. Aprendemos sobre a história de Diana e das Amazonas antes de passar à aventura dela em meio aos humanos. O interesse da princesa por Steve evolui aos poucos da curiosidade ao sentimento, mas a relação nunca ocupa o espaço da missão. As cenas de ação têm ótimos efeitos especiais que não roubam a cena, afinal o destaque é todo para Diana. Em resumo, no mundo cinematográfico dos super heróis estava faltando um filme como “Mulher Maravilha”.

Já assistiu “Mulher Maravilha”? Vem conversar comigo e deixe o seu comentário contando o que achou do filme!

You may also like

1 Comment

  1. Assisti e sai satisfeita da sala.
    Não consigo colocar defeito em nada. A única coisa que poderia ter sido melhor explorado foi o vilão, mas de resto ficou excelente.
    A fotografia, o elenco, o roteiro TUDO *_*

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *