Fiquei contente com o retorno que o primeiro post sobre o Puy du Fou teve. Muitas pessoas não conheciam o parque, que é um dos favoritos dos franceses. Um dos objetivos do blog é justamente ajudá-los a descobrir outros lugares além de Paris. A capital é obviamente linda,  maravilhosa e merece ser admirada por dias. Mas as atrações da França não param por aí e quem tiver a oportunidade pode – e deve – explorar mais. E falando em descobertas, o que fiz no outro post foi apenas apresentar o Puy du Fou. Neste, vou dar algumas dicas que foram essenciais para conseguirmos aproveitar o lugar ao máximo e em apenas um dia. No próximo post da série sobre o parque vou indicar as atrações que, na minha opinião, são imperdíveis.

1 – Priorize as atrações

Se você não quiser seguir mais nada do que está escrito aqui, preste atenção pelo menos nesta dica. O Puy du Fou tem umas 20 atrações e todas têm horário marcado para começar, não é só ficar na fila e esperar a sua vez de entrar. De forma geral, são apenas umas quatro apresentações no dia inteiro. Se você não se organizar antecipadamente, corre o risco de não ver algo que gostaria muito. Então pesquise no site deles antes e veja no mapa as localizações dos locais que você quer visitar. Saiba que dificilmente você vai conseguir atravessar o lugar todo em 10 minutos, ainda mais se estiver lotado. Programe algo do tipo visitar metade do parque na parte da manhã e a outra parte durante a tarde. Além disso, o número de lugares é limitado na maioria das atrações e o recomendado para as mais populares é chegar com 30 minutos de antecedência para conseguir assistir.

Não esqueça de levar o seu planejamento com você! E não deixe de andar com um cronograma da temporada, porque pode acontecer de você perder um espetáculo e ter que achar um “tapa buraco”. Foi assim com a nossa primeira atração. Chegamos para ver os “Vikings”, mas já estava lotado. Então fomos para o “Les Chevaliers de la Table Ronde”. E fomos nos adaptando o dia inteiro assim, sempre consultando os horários.

2 – Escolha um dia de menor frequentação

A lógica é simples. Se você quer optimizar o seu dia no parque (vamos partir do princípio de que você não vai dormir no local, ok? Se for fazer isso, melhor ainda), quando menos pessoas tiverem afluindo por todos os lados, melhor. Por isso, se puder, prefira ir ao parque no começo da semana do que a partir de sexta-feira, por exemplo. A probabilidade da galera querer aproveitar o fim de semana lá é maior. O inconveniente disso é que você não poderá ver o espetáculo da “Cinéscénie”, encenado apenas às sextas e sábados, de Maio à metade de Setembro.

O mesmo vale para o período do ano. O parque só abre de Abril a Setembro, mas a frequentação é maior durante o mês de Agosto, que é a alta temporada do verão e quando “todos” os franceses tiram férias (sério, parece que o país para). Mas a frequentação é algo que não dá para adivinhar, né? Quando fui, era a primeira segunda-feira de Agosto e estava relativamente tranquilo.

3 – Chegue logo na abertura

De novo, o raciocínio lógico: quando mais cedo você chegar, mais tempo vai ter para aproveitar o parque, que abre às 10 horas da manhã (tardinho até, né?). Assim você consegue estacionar o carro perto da entrada (gratuitamente) e tem um tempinho para andar pelo parque antes de começar a ver um espetáculo atrás do outro. Isso é importante principalmente para quem vai em grupo, assim dá tempo de definir um ponto de encontro caso alguém se perca ou decida fazer algo diferente.

4 – Preste atenção na posição do sol

Muitas atrações são a céu aberto. Então tente controlar o desespero de encontrar logo um lugar e preste atenção se alguns assentos estão na sombra. Pode parecer bobeira, mas mesmo que você esteja preparado (veja o próximo tópico), ficar sentado no sol do meio dia por meia hora, 45 minutos, não é muito confortável. Esta dica é especialmente preciosa para quando você for na arena. O espetáculo é bem longo e sofremos bastante com o calor, mesmo sendo de “Hellbeirão Preto ( interior de SP) e estando acostumados com o inferno. Hahahaha. Só ficava ainda mais sofrido vendo a outra metade da arena toda tranquila na sombra.

5 – Não deixe de levar essas duas coisas

Acho meio óbvio recomendar roupas confortáveis para ficar o dia inteiro num parque de atrações, então vou dar uma de mãe (Ahahaha) e falar que você precisa sim levar duas coisas: chapéu/boné e blusa de frio. Não questione, apenas coloque isso na sua mochila (mesmo que for no meio de Agosto) e me agradeça depois.

6 – Leve também comida e água

Também é coisa básica para quem está acostumado a ir neste tipo de lugar, mas não deixe de levar água por nada neste mundo. Também vale muito a pena levar comida, sandubas e afins. O parque tem restaurantes, mas muita gente – muita gente mesmo – arruma uma sombrinha durante o dia, senta na grama e faz uma farofa geral.

7 – Preste atenção nos horários de funcionamento dos restaurantes

Resolveu ir num restaurante (o parque tem vários), beleza! Mas preste atenção nos horários de funcionamento. Enquanto a maioria está aberta na hora do almoço, muitos só servem até às 20h (e o parque fecha às 22h30). Para informação, nós almoçamos no Le Bistrot e estava uma delícia.

Ufa! Eu tinha avisado no primeiro post que ainda tinha muita coisa para falar do Puy du Fou. Tinha incluído tudo aqui, mas ficou enorme demais. Então no próximo post desta série, vou recomendar minhas atrações favoritas. Fique de olho aqui no blog!

Espero ter ajudado quem se interessou e pretende visitar o parque a se organizar e a ter uma melhor noção do que esperar. Se ficou alguma dúvida, não deixe de entrar em contato! Se você já foi em algum parque de atrações e tem outra dica para quem está se preparando, compartilhe aqui embaixo.