Direção: Bill Condon

Elenco: Emma Watson, Dan Stevens, Luke Evans

Gênero: Fantasia, Musical, Romance

Nacionalidade: EUA

Ano de lançamento: 2017

A história é tão antiga quanto o próprio tempo. Não sei de uma pessoa que não conheça – e não ame – o conto da mocinha que sonha em sair daquele vilarejo francês e ver o mundo. Que encontra refúgio nos livros e é inteligente demais para se conformar com um casamento medíocre, e por isso vira motivo de chacota. A jovem que toma o lugar do pai como prisioneira da amarga Fera. Não sei de uma pessoa que não esboce um sorriso ao ver essa Fera atrapalhada tentando conquistar o coração da moça. Que não admire o sentimento que floresce entre os dois encarnado em forma de uma valsa e um vestido amarelo.

Todo mundo conhece a história de “A Bela e a Fera”. E é exatamente isso que vemos nesta versão live action da Disney. A música arrepia logo no começo. E se você é fã como eu, vai (ter vontade de) chorar de emoção logo no primeiro bonjour. Emma Watson foi a escolha perfeita para o papel principal. Se da filmografia dela você só assistiu “Harry Potter” e está receoso em ver Hermione brincando com um leão, pare. Sente-se e preocupe-se apenas em aproveitar o espetáculo, deixe que ela faça (muito bem) todo o trabalho. A alma do clássico também não se perde nas mãos dos outros atores, com destaque para Josh Gad como LeFou, o braço direito de Gaston. Os efeitos especiais são muito bem feitos e os objetos animados se integram de forma sensata ao universo humano.

Quem me acompanha há algum tempo sabe que eu adoro a versão francesa (com Vincent Cassel e Léa Seydoux), lançada em 2014. Não há como fazer comparativos, são dois filmes com propósitos completamente diferentes. Um de releitura e o outro de fidelidade ao original. Porém, creio que já ter visto “A Bela e a Fera” em forma humana antes tirou um pouco do encanto de reencontrar os personagens e ver esta história encarnada. “La Belle et la Bête” é lindíssimo e vale muito a pena assistir, mas só a nova versão da Disney me deu vontade de chorar o filme inteiro – e horas depois.

Quem aí também já viu e se emocionou? Me contem nos comentários! Eu consegui me segurar até a hora em que eles dançam. Aí depois não parei. Hahaha