Este é um tema que ainda gera muitas dúvidas em quem está se preparando para vir para a França como estudante. São várias etapas, papeladas e taxas que devem ser previstas. O meu processo durou quatro meses. Consegui o documento na primeira tentativa e aqui dou dicas para você conseguir o seu também.

A segunda parte deste guia com “As etapas do Campus France” está aqui.

O  Consulado

O agendamento da solicitação de visto junto ao Consulado é feito pela internet. Aqui cometi um “erro”: fiquei esperando pela confirmação do Campus France (que demorou uma semana) e quase não achei datas disponíveis, já que estava bem no período de maior movimento no Consulado francês – que vai de junho a setembro, logo antes do início do ano letivo francófono. O Consulado pede que você não entre com o pedido de visto com mais de oito semanas de antecedência. Eu tinha cinco e as passagens aéreas já estavam compradas.

A relação de documentos a serem entregues no Consulado está aqui, e ela varia de acordo com o caso. Eu entrei na categoria “Visto de longa duração para estudantes de curso de francês”, que tem exigências relativamente simples. A única dificuldade que encontrei foi efetuar o pagamento total do curso à distância. Pelo menos na Universidade de Nantes, o pagamento é feito apenas na hora da inscrição presencial, então tive que falar diretamente com o serviço de contabilidade para poder resolver isso. Além dos documentos pedidos, leve tudo (cópia + original) o que comprove que você tem renda mais do que o suficiente para ficar no país durante o determinado período. Pense mais alto do que os ditos 615€ mensais.

Fui ao Consulado com quatro envelopes: os documentos requisitados originais; as cópias deles, os documentos extras originais e as respectivas cópias. Organize-se ao máximo para poder entregar o que for pedido o mais rápido possível. Entre os últimos, estava a declaração de financiamento do meu pai e todos os seus comprovantes de renda. Eu tinha a quantia mínima exigida de 615€/mês para sustento em meu nome, mas, mesmo assim, resolvemos incluir os papéis de um responsável. Usamos os modelos oficiais de declaração, disponíveis aqui. Foi a sorte.

Meu namorado, que era com quem eu iria morar, escreveu uma carta convite. Não há um modelo oficial, então pegamos um exemplo na internet. Ele falou onde trabalha, onde mora e que, em caso de necessidade, me ajudaria com as despesas. A dúvida era se ele deveria me declarar como sua namorada, pois normalmente esta situação não é sinônimo de estabilidade. Resolvemos que era melhor não tentar esconder a verdade, mesmo correndo o risco de isso acarretar na recusa do visto. É muito importante anexar à carta uma cópia do comprovante de endereço e da identidade da pessoa. Além disso, eu também tinha uma cópia do contrato de locação do apartamento. Para quem ficará na casa de um conhecido por menos de três meses por motivos pessoais (e não estudo), é necessário uma “attestation d’accueil”.

A entrevista

Após se identificar na recepção, você deverá preencher um formulário e um atestado de que recebeu as informações da imigração (tudo em francês). Na minha entrevista, foram logo pedindo as cópias dos documentos exigidos. A pessoa perguntou se eu já havia estudado francês e eu respondi que tinha feito apenas um intensivo. Ela pediu um comprovante disso, mas expliquei que como não havia concluído o curso, não tinha o tal documento. Insistiu, então, para saber se eu era capaz de falar francês e eu disse que poderia entender o básico. Ao ressaltar que algumas instituições exigem um determinado nível, expliquei que havia me inscrito na Universidade de Nantes justamente por aceitarem debutantes no idioma.

Depois, chegou a hora de questionar quem era a pessoa que iria me acolher. Quando disse que era meu namorado, perguntou se eu estava indo apenas para viver com ele. Sem pestanejar repliquei que queria estudar e que ele acabou facilitando as coisas porque tinha me oferecido um lugar para ficar e o assunto acabou ali. Apesar de ter entregue as justificativas financeiras em meu nome, logo me foi exigido entregar as do meu pai também (que tinha levado caso fosse necessário!). Os números foram checados atentamente.

Se depois da entrevista eles consideram que a documentação está correta, eles te liberam para pagar a taxa de 50€ (quitação em Real e em espécie – leve o dinheiro trocado!) e para processar os seus dados biométricos. Cerca de 15 dias depois o visto fica pronto. Você pode conferir o status do processo pelo mesmo site do agendamento.

Tenho a superstição de não contar sobre os meus planos até que estejam bem concretos. Ou seja, não contei para ninguém que estava me mudando para a França até ter o visto em mãos – duas semanas antes de embarcar.

Confira a página inicial do guia aqui e veja quais serão os próximos assuntos abordados. Ficou alguma dúvida ou tem uma sugestão de conteúdo? Entre em contato.