Ontem, na página Facebook do Madame Brasil (curte lá!), falei um pouquinho sobre como o preconceito machuca a vítima dele. Tentei passar que ninguém é obrigado a saber de tudo e nem é desprovido de ideias pré-concebidas, porém que com discussões inteligentes podemos entender o outro ponto de vista e respeitar as nossas diferenças.

A reflexão veio com o vídeo da campanha “Racismo virtual. As consequências são reais” da ONG Criola, organização que atua pela defesa dos direitos das mulheres negras. Eles expuseram em outdoors mensagens racistas que algumas pessoas publicaram nas redes sociais. Frases curtas, mas com ódio palpável e com muita falta de reflexão.

E aí vocês podem se perguntar: “ah, mas o que uma jovem branca de classe média sabe sobre sofrer preconceito?”. Sei o suficiente. Mesmo quando morava no Brasil fui vítima. Em um determinado momento era metida porque estudava em escola particular, no outro não era boa o suficiente porque não estudava na escola particular certa. Mas isso não é nada perto do que encontrei aqui na França.

Assim como a campanha, resolvi listar alguns dos comentários absurdos que ouvi da parte de alguns franceses ao saberem que eu era brasileira. Foram situações que enfrentei com pessoas de diferentes regiões do país e de diferentes faixas etárias. É muito generalista dizer que todos os franceses pensam isso de todos os brasileiros, ou que todos eles são contra a imigração, mas tenho certeza de que não sou a única a ter ouvido comentários como estes:

1.“Mas você é branquinha. Quando me disseram que você era brasileira, esperava alguém com a pele mais escura.”

2. “Você não entende muito o francês, mas quando falamos de casamento e de ter filhos você entende, não é?”

3. “Nos lugares onde não há estrada no Brasil… Vocês andam de jegue?”

4. “Vocês têm morango no México?”

5. “Ah, você ainda está aqui. Quando você vai voltar para o seu país?”

6. “Você deveria falar com o seu noivo em francês, assim você aprende o idioma.”

7. “Ah, você é brasileira! Então você fala espanhol?”

8. “Quando os homens daqui vão para o Brasil, nós nos preocupamos. Porque sabe, as mulheres brasileiras…”

9. “Você sabe que aqui nós temos a carteirinha do Front National, né?” (FN: partido de extrema direita, contra a imigração em território francês)

10. “Então você é brasileira… Você veio da favela?”

Agora imagine-se nesta situação: você chegou há pouco tempo e ainda está aprendendo o idioma, portando não tem vocabulário o suficiente para formular uma resposta digna. Por razões particulares deixou emprego, família e amigos para trás. E este é o seu comitê de boas vindas. É difícil de engolir, não é?

Não interessa se você tem nível superior de estudos, fala três idiomas fluentemente e veio aqui em busca do amor ou se você parou de estudar no ensino médio, tem dificuldades mesmo com a língua materna e veio aqui em busca de uma vida melhor. O preconceito, a rigidez, a falta de compreensão – e de interesse – machuca da mesma maneira. Pense nisso da próxima vez em que for interagir com alguém que não conheça. Tenha respeito. Este é o mínimo que esta pessoa merece de você e o mínimo que você deve a si mesmo é não fazer papel de idiota.

Nossa, que desabafo, hein? Me contem o que acharam dessas frases?

Se você mora (ou já morou) no exterior, ouviu coisas semelhantes? Como lidou com isso?