Este é um tema que ainda gera muitas dúvidas em quem está se preparando para vir para a França como estudante. São várias etapas, papeladas e taxas que devem ser previstas. O meu processo durou quatro meses. Consegui o documento na primeira tentativa e aqui dou dicas para você conseguir o seu também.

Informações iniciais básicas

O pedido de visto de estudante tem uma etapa pré-consular (composição de dossiê + entrevista) feita pelo Campus France. Apenas com a validação desta instituição é que é possível dar continuidade ao processo junto ao Consulado Francês no Brasil.

Em primeiro lugar, tenha paciência. As coisas não vão ser tão rápidas quanto você gostaria e você não vai entender o motivo de ter que fazer várias delas. Faça-as mesmo assim. Afinal você quer entrar em outro país e deve seguir as regras dele. Tenha organização. Como eu disse, são meses até ter o visto em mãos. Então é imperativo separar os documentos (sempre originais e cópias) da “baguncinha” do dia a dia e prestar muita atenção aos prazos.

Vamos começar?

Tenha certeza de que o seu projeto de estudos aqui é compatível com o seu perfil profissional. Quero dizer, eles estranharão um engenheiro que quer fazer um curso de gastronomia em Paris. Pode ser o caso. Então certifique-se de que os argumentos são coerentes e sustentáveis. Por exemplo, na época eu já era formada em Jornalismo e gostaria de aprender um novo idioma pois já falava inglês e espanhol. Depois de estudar francês, tinha também interesse em outro curso da área de Letras da Universidade de Nantes. Pesquisei e guardei as informações para apresentá-las na entrevista com o Campus France (etapa que será explicada no post #2).

A candidatura nos estabelecimentos de ensino pode ser feita com a ajuda do Campus France (mais informações aqui) ou por conta própria (meu caso). O primeiro critério para os estudantes é de que o curso (de idioma ou de outra área) tenha carga horária total mínima de 20 horas semanais. Lembrando que o início do ano letivo aqui é no mês de agosto.

bonjour

Estude para aprender francês

Recomendo ter pelo menos o nível básico de francês antes de pedir o visto. Sim, mesmo que você esteja indo para aprender o idioma. Isto vai te ajudar a entender melhor os papéis e o processo como um todo. E aconselho ainda que invista em um curso da Aliança Francesa ou de uma escola conveniada. Não é exigência, mas é bem visto. Porém eu fiz no CNA e não tive problemas além de uma “puxadinha de orelha”.

Pesquise se há um tradutor juramentado perto de onde mora. Você vai precisar deste tipo de serviço ao se candidatar a uma vaga em uma escola francesa. Lembrando que todos os documentos administrativos brasileiros também devem ser traduzidos. Dica: venha com pelo menos uma segunda via da certidão de nascimento atualizada e a respectiva tradução. Verifique se o tradutor é devidamente registrado e habilitado para tal função. No estado de São Paulo, por exemplo, a Jucesp (Junta Comercial do Estado de São Paulo) disponibilizada uma lista de profissionais e os preços são tabelados.

Confira a página inicial do guia aqui e veja quais serão os próximos assuntos abordados. Ficou alguma dúvida ou tem uma sugestão de conteúdo? Entre em contato.