3 Dicas para levar uma vida mais consciente

Comentei no primeiro post de 2017 que a minha única resolução para o ano novo era tomar decisões mais conscientes. Desde que escrevi isso, foi como se realmente tivesse marcado o meu cérebro com esta ideia e comecei a engolir informações, pesquisar mais e expandir os meus interesses. O que aconteceu? Entrei em crise existencial.

Foram muitas referências ao mesmo tempo sobre diversos assuntos e eu fiquei perdida. Me acalmei, (acho que) encontrei um centro novamente e resolvi compartilhar essas dicas – até comigo mesma – para que você possa fazer mudanças em sua vida e se importar com o mundo sem enlouquecer.

1- Escolha um assunto prioritário para começar

Eu deveria ter previsto isso, mas o que aconteceu foi que comecei a me preocupar com a alimentação. Depois abri os olhos para a indústria por trás do modelo fast fashion. Em seguida passei para o teste de cosméticos em animais. Isso em duas semanas. Foi aí que comecei a ter vontade de parar de viver (ok, exagero). Então a primeira dica é: se você quer mudar seus hábitos, foque em uma coisa de cada vez. Não dá para ser consistente se você está perdido(a) e sem saber o que fazer nem por onde começar.

2- Seja paciente consigo mesmo(a)

Acho este ponto particularmente importante quando falamos de alimentação. Cortar carne vermelha, por exemplo, não é nenhum sacrifício para mim porque nunca fui amante. Já abandonar aquele chocolate ao leite que só tem coisa que não presta é um martírio. Tudo bem ir aos poucos, se acostumar com outros sabores e abandonar os velhos hábitos. Dar aquela escorregada também não é nada grave.

Esta marca de cosméticos que está no seu banheiro testa em animais? Não adianta nada jogar fora, é desperdício. Preste mais atenção quando for comprar um novo. Deixou de fazer o esporte por preguiça? Levante do sofá assim que der e compense. Leve um dia de cada vez. Dizem que são necessários 21 dias consecutivos para criar um novo hábito. Ou seja, sua vida não vai mudar do dia para a noite.

3- Não imponha aos outros a sua nova visão

Quanto tempo você levou para mudar de opinião? Não espere que todo mundo esteja pronto – ou queira – ver o mundo da maneira que você o está enxergando agora. Troca de opiniões são sempre bem vindas, mas apenas se nenhuma das partes estiver na verdade mais preocupada em ganhar o argumento. Viva da maneira que lhe parecer mais justo com as suas crenças e esteja disposto a compartilhar (isso significa falar e também ouvir) conhecimentos.

Gente, este post na verdade me ajudou a organizar as ideias! Hahaha Fico feliz em poder compartilha-lo com vocês. Me contem nos comentários: como estão as resoluções de Ano Novo de vocês? (Caso tenham resolvido fazer alguma.) E se tiverem mais dicas, não deixem de compartilhar.

Continue Reading

Vlog: realizando o sonho de ver neve

Ver neve era o primeiro item da minha lista de “Coisas para fazer antes morrer” (sim, sou dessas) e pouco antes de 2016 acabar eu realizei este grande sonho. Não contente em apenas brincar com o gelo, resolvi também me aventurar no esqui. Veja no video abaixo a minha experiência e acompanhe a linda viagem da Riviera Francesa até os Alpes do Sul.

Isola 2000

A estação de esqui Isola 2000 fica à 90km de Nice (cerca de uma hora e meia de viagem) e o acesso é pela estrada nacional, ou seja, livre de pedágio. Também é possível chegar de ônibus (a partir de 4€). O local está a 2 mil metros de altitude, na fronteira com a Itália e com o Parque Nacional do Mercantour.

Isola 2000 tem dois estacionamentos gratuitos (o 1 fica no ponto mais baixo das pistas e o 2 fica no nível do Office de Turismo e das lojas de locação de equipamentos). Em alta temporada é importante chegar cedo (a abertura é às 9h) para conseguir vaga.

A “mini pista” onde filmamos este vlog é gratuita. Para utilizar outros “tire-fesse” (o reboque que te leva para o topo da colina) e telesqui é necessário comprar um pacote de acordo com a duração da estadia e o nível das pistas que você deseja (do verde – mais fácil – ao preto – impossível kkk). Este pacote será obrigatoriamente carregado no cartão (1,50€), que permitirá o acesso aos dispositivos mecânicos. A compra do “forfait” pode ser feita online (desde que você já tenha o cartão) ou presencialmente, mas se prepare para encarar longas filas.

Dica: durante a temporada eles fazem uma venda flash com promoções todas as terças-feiras às 20h.

Aluguel do esqui

Utilizamos o site Skimium para alugar os equipamentos pois ele dava em torno de 20% de desconto com a reserva feita com antecedência (até a noite anterior) e mais 5% para os clientes com cartão Decathlon. O preço varia de acordo com o nível de experiência. Por exemplo, esquis + botas para iniciantes custam em torno de 23€/dia. O capacete fica por 4€. Mais experimentados podem alugar equipamentos de melhor qualidade por pouco mais de 30€/dia.

Reserva feita, retiramos os esquis na loja física na entrada da estação.

Ficou alguma dúvida ou tem outro conselho para quem quer esquiar na região? Comente! Não deixem também me contar o que acharam do vídeo! O que estaria na lista de “Coisas para fazer antes morrer” de vocês?

Continue Reading

3 Documentários que vão te ajudar com as resoluções de Ano Novo

Feliz 2017, gente! Que este novo ano seja repleto de gratidão, auto-conhecimento, progresso, sucesso e felicidade.

Faço parte do time que vê na virada mais uma oportunidade de evolução; de mudar o que não está funcionando, de desapegar e de agregar novas coisas e experiências. Por isso, em 2017 resolvi dedicar esta energia à busca por um equilíbrio que vai além do peso da balança (kkk). Quero sim trabalhar para alcançar a minha melhor versão física, mas também quero trabalhar o emocional. Desejo coisas novas, mas quero pensar no impacto delas na minha vida e no mundo.  Não é um trabalho preciso, porém uma avaliação constante de escolhas. Pegaram a vibe?

Reuni neste post três documentários, disponíveis no Netflix e outras plataformas, que me inspiraram e me deram um ponto de vista sobre três assuntos diferentes: alimentação, felicidade e moda. Se você também têm objetivos para 2017, está disposto(a) a ouvir ideias talvez diferentes das suas ou já zerou o catálogo de filmes e séries, sugiro que assista.

Food Choices

Um filme sobre comer conscientemente. Além do impacto na saúde, também é levado em consideração o custo do atual modo de vida da maioria das pessoas e as consequências dele para o planeta.

Happy

Todo mundo quer ser feliz, mas existe uma receita para a felicidade? O documentário reúne uma série de depoimentos de pessoas comuns de diferentes origens e entrevistas com especialistas para tentar responder à pergunta.

The True Cost

Os preços acessíveis das roupas de fast fashion são possíveis por causa da mão de obra e matéria prima barata que as empresas buscam em países menos desenvolvidos. O vídeo mostra o que se esconde por trás de uma camiseta com a etiqueta atraente à 5 dólares.

Já viram alguns desses documentários? Me contem nos comentários se vocês se interessam por estes temas. Qualquer outra indicação também será bem vinda!

Continue Reading

Diferenças na celebração do Natal entre Brasil e França

Como disse no vídeo de montagem na nossa árvorel, celebrar o Natal é algo que eu adoro fazer. Reunir a família, trocar presentes, comer, comer mais um pouco e comer até explodir. Hahaha Não deixei de fazer isso ao me mudar para a França, mas precisei me ajustar a algumas mudanças. Resolvi então contar para vocês algumas das diferenças na celebração do Natal entre o Brasil e a França.

Vale lembrar que essas são curiosidades que observei e comparei entre as minhas famílias dos dois países. Portanto pessoas que moram e lugares diferentes e com tradições diferentes podem não tirar as mesmas conclusões.

O Presépio

Imagina a cena: pouco antes do Natal visitamos uma igreja. Fui dar uma olhadinha no presépio e “ué, cadê Jesus?!” “Ele ainda não nasceu!”. Lógico. Lógico, porém estranho ver o berço vazio. Mas pois é, aqui eles esperam até depois do dia 25 para colocar o menino Jesus. Além disso, é raro ver um presépio em lugares públicos como centros comerciais ou praças.

Mercado de Natal (Marché de Noël)

Ok, alguns lugares no Brasil realizam quermesses durante esta época, mas por aqui essas feirinhas são extremamente organizadas. Todos têm a mesma casinha de madeira e o espaço é público. Por questões de segurança (desde os atentados terroristas) a área é cercada e a entrada e a saída são feitas por apenas um lugar. Antes não havia nenhuma barreira ou revistas de bolsas. Paris colocou até blocos de concreto na calçada na tentativa de evitar o que aconteceu em Berlim.

Ceia

No Natal brasileiro faz um calor “do cão” e nós comemos o que tem de mais pesado: leitoa, arroz, farofa (tudo sem uva passa, pelo amor!), creme de milho e tender (saudade da vó!). Aqui, faz frio e eles comem frutos do mar tipo ostras, salmão cru e camarão pitu. Digo “eles” porque eu realmente não como quase nada da ceia de Natal da minha família francesa. Ainda para “piorar” – para mim -, é um prazer para o anfitrião servir o famoso foie gras aos convidados.

Ah, não posso esquecer de mencionar que o jantar dura hoooooras. E todo mundo fica na mesa, não é aquela história de cada um ir para outro lugar da casa até dar meia noite.

Sobremesa

Você não vai me ouvir reclamar nesta parte. Ouso dizer que o chocolate no Natal francês é tão importante (ou ainda mais!) quanto na Páscoa. As pessoas se presenteiam caixas elaboradas e normalmente outras são reservadas para o fim da refeição. Além disso tem a grande estrela, a “Bûche de Noël”, que é tipo um bolo (mas pode ser de sorvete também) em formato de lenha. Adivinha qual o sabor mais comum? Acertou quem disse chocolate.

 Presentes

Aparentemente (digo isso porque aconteceu comigo e com conhecidos, mas não sei se dá para generalizar), comida é considerada como presente para os franceses. E não quero dizer aquela cesta de Natal que você ganha da empresa. É presente embrulhado embaixo da árvore, mesmo. Eu sei que o que conta é a intenção, mas é complicado receber uma lata cerveja – mesmo que seja brasileira – e sorrir, hein? Moral da história é que isso aconteceu só uma vez. Kkkk

Outra diferença com o Brasil é que na França, assim como nos EUA, o dia de abrir os presentes é na manhã do dia 25. Para uma pessoa ansiosa como eu, é a morte. A minha família francesa logo entendeu e “abrasileirou” isso para mim. Hahaha

Espero que tenham gostado de saber essas curiosidades! Qual a maior diferença para vocês, comparando com os costumes brasileiros? Se você já passou o Natal em outro país, nos conte nos comentários a sua experiência e algumas curiosidades!

Para finalizar, gostaria de desejar a todos vocês um Feliz Natal e uma celebração cheia de paz e gratidão! Que o amor esteja presente em cada ação, pensamento e contato. Sei que de vez em quando reuniões de família enchem o saco, mas apreciem o privilégio desses momentos, pois a vida é curta e não sabemos o que o amanhã nos reserva.

 

Continue Reading

O Ano em que disse sim

Autora: Shonda Rhimes

Título Original: Year of Yes

Gênero: Desenvolvimento Pessoal

Editora: Simon & Schuster

Número de páginas: 311

Ano: 2015

 

Talvez você não preste atenção nessas coisas e não saiba quem é Shonda Rhimes. Ei, ninguém é obrigado, certo? Mas é provável que você reconheça sim este nome como um dos mais poderosos da TV mundial, como o da criadora e produtora das séries “Grey’s Anatomy”, “Scandal” e “How to get away with murder”. Em seu primeiro livro, Shonda nos oferece uma espiada da mulher por trás desse nome.

Tudo começa quando a irmã resmunga que ela nunca diz “sim” para nada. O tempo passa e vem a negação, a auto-avaliação e a decisão de mudar. Ela resolve, por um ano, dizer a palavra mágica para qualquer coisa ou situação que a assuste, como dar discursos ou entrevistas ao vivo. Porque, contra todas as probabilidades, Shonda Rhimes é – era – uma humana como todos os outros e fugia de qualquer situação desconfortável. E como diz aquela frase no Pinterest: “a vida começa no fim da sua zona de conforto”.

Não é fácil, não é indolor e não é gratuito. Com objetivo de se descobrir e se revelar, Shonda luta contra velhos hábitos, perde amigos (ou pessoas que ela acreditava serem honestas) e questiona cada ação, cada pensamento próprio. E quem nunca passou por isso? Se você ainda não experimentou, está mais do que na hora.

Este livro não é um manual de como “Como Dançar, Ficar ao Sol e Ser Sua Própria Pessoa”. Não tem receita mágica. É uma conversa intimista e inspiradora com uma mulher poderosa, porém insegura. E ao ler sua transformação, começamos a questionar a nossa realidade. Cada um na sua. Ela resolve fazer um especial de uma hora na TV. Você talvez finalmente tome coragem para usar aquela blusa que gosta mas que tem medo dos outros acharem estampada demais.

O livro é legal. É irônico. É o fino limite entre realidade e ficção. É Grey’s.

Simplesmente, é Shonda Rhimes.

Quem já leu ou tem vontade de ler “O Ano em que disse sim”? Gostam das séries da Shonda? Me contem a favorita de vocês nos comentários!

Continue Reading

5 perguntas que você precisa se fazer antes de decidir morar fora do Brasil

Viver no exterior é o sonho de muita gente. Porque parece que fora do nosso país as coisas dão mais certo. Porque poderíamos ter as coisas que no Real custam um absurdo. Porque temos a impressão de que pilantra só existe no nosso quintal. Porque não tem trabalho e nada dá certo. Ou não. É apenas vontade de apostar em algo novo. Uma tentativa de se virar sozinho, de se perder e de se lançar no desconhecido. Mudar de cultura, de mentalidade, de ares.

Seja qual for o motivo – e existem milhões -, sair do Brasil e ir morar fora é o objetivo de muitos. Também era o meu. Não estou falando sobre fazer uma viagem ou um intercâmbio. Este post é dedicado àqueles que querem empacotar tudo e comprar apenas uma passagem de ida.

Não peço para que se faça estas perguntas com o objetivo de te desencorajar e nem para te deixar com dúvidas ou mágoas. Quero apenas que você coloque estes pontos na balança. Quero te ajudar a decidir se partir ainda é a melhor opção. Considere isso como um conselho de amiga. Aquela amiga às vezes chata que fala algumas verdades que você não quer ouvir. Mas amiga mesmo, porque se no final você ainda responder “sim” ao sonho de ir embora, eu vou te apoiar 100%.

1- O que vou fazer lá?

As exigências variam de acordo com o país, mas fato é que caso queira entrar e ficar legalmente em outro território, você precisa seguir determinadas regras. Ok, você vai fazer um curso do idioma local. Mas e depois? Se pensa em arrumar um trabalho, considere que não é fácil as empresas se responsabilizarem por um estrangeiro. Já é difícil arrumar emprego quando você tem toda a documentação, imagine dependendo do empregador para obter os papéis.

A parte burocrática deve sim pesar muito na sua decisão caso ainda não tenha visto de residência, nacionalidade e etc. Considere também a orientação do governo do país onde pretende viver, pois a política mais rígida (nacionalista) – ou não – vai influenciar nas condições para obter documentos que lhe permitam ficar legalmente no país.

2- Tenho dinheiro o suficiente?

Viajar não é barato. Qualquer pessoa que já se aventurou sabe disso. Mudar para outro país – com o Real cada dia menos valorizado – é mais caro ainda. Você terá as mesmas despesas que tem no Brasil. Ok, talvez não tenha mais que manter o seu carro, mas vai ter que incluir na conta o transporte público. E não, você não vai aguentar comer lanche todos os dias pelo resto da sua vida.

O que eu quero dizer é: pagar as contas e cumprir compromissos é a mesma coisa em todos os lugares do mundo. Se você está com dificuldades para não ficar no vermelho no Brasil, como esta situação pode melhorar no exterior?

3- Sei ficar bem sozinho(a)?

Se ao chegar você for acolhido por amigos e/ou familiares, pode desconsiderar este questionamento. Mas se for se aventurar sozinho, você aguenta a solidão? Sabe se virar nos perrengues? Claro, nada te impede de ter um novo círculo de amizades no novo endereço. Mas a não ser que seja muito (muito) extrovertido e der muita (muita) sorte, isso leva um tempo. Até lá, tudo bem abraçar só o travesseiro quando quiser chorar?

Não estou sendo pessimista, não quero que você chore. Mas você vai passar por tantas mudanças… Se tudo for 100% maravilha para você, então por favor entre em contato e me ensine! E não falo deste tópico só pela tristeza. Alegria compartilhada é mais gostosa. O Skype, as fotos no Facebook e os snaps são o suficiente para você? Tudo bem não ter ninguém com você no dia do seu aniversário, no Natal ou você perder o Dia das Mães e o primeiro aniversário do seu sobrinho? Se prepare também porque aquelas pessoas queridas que ficaram no Brasil vão seguir a vida sem você. 

4- Conheço a cultura do lugar onde pretendo ir?

Esqueça os clichés dos filmes ou o que você acha que já sabe. Você conhece realmente a cultura, as tradições e as regras sociais do lugar onde quer morar? Pode ser algo menos grave, que não vai te prejudicar, tipo saber que aqui na França a gente não dá beijinho no cabeleireiro. Só aprendi isso na prática e passei vergonha, mas acabou por aí. Pode ser também saber que a sua maneira de se vestir deve mudar, ou que você não pode manifestar afeto na rua. Em alguns lugares a penalidade pode ser mais grave do que simples bochechas coradas. Pesquise, pergunte e se informe.

5- Estou preparado(a) para fazer sacrifícios?

Cresci ouvindo dos meus pais que a vida é difícil. Achava que isso era só pessimismo deles. Hoje, com um pouquinho mais de maturidade, já consigo ver que é um fato. Para alcançar objetivos é preciso fazer sacrifícios. Os outros verão o que você conquistou e vão ignorar a luta, mas você saberá. Enfim, isso acontece no mundo todo. Entende? Não é saindo do país que a sua vida vai ficar mais simples.

E aí podem vir também os sacrifícios mais práticos. Por exemplo: talvez no Brasil você tenha uma ajuda na hora da faxina ou na lavanderia. Lá fora (a não ser que você tenha dinheiro, claro), fica muito mais caro ter este tipo de serviço. Ou seja? Mão na massa. A mordomia acaba quando você cresce e resolve bater asas. 

E aí, pensou? O que você quer fazer?

De novo: não quero desencorajar ninguém. Mas quero sim que você tome uma decisão consciente, pesando os positivos e os negativos. Claro que existe o lado bom. Só que este já está lá no Instagram para todo mundo ver.

Mora ou já morou no exterior e acha que deixei uma questão de fora? Comente! Vamos trocar experiências.</>

Continue Reading

Vlog: escolhendo e decorando a árvore de Natal

Decorar a árvore de Natal com certeza é a minha tradição favorita desta festa. Claro que ganhar e dar presentes é muito bom também, mas adoro poder recordar os momentos que cada enfeite representa. A decoração da nossa árvore pode até não chamar a atenção, mas é muito pessoal e faz parte da nossa história. E é um pedacinho disso que resolvi compartilhar com vocês.

Aqui na França há a opção de escolher uma árvore natural em vez de ter uma de plástico. Para nós brasileiros, isso é coisa de filme e longe da nossa realidade. Para mostrar como é, onde ficam e as inúmeras opções, levei vocês em uma loja especializada em jardinagem. Mas saibam que por aqui, árvore de Natal natural dá para comprar até no Leroy Merlin.

Não esqueça de curtir o vídeo e de me contar nos comentários o que achou!

Continue Reading

Linha Klorane de cuidados com os cabelos

Se tem algo ao qual não sou fiel, essa coisa é produto capilar. Troco todas as vezes em que preciso comprar um novo. Isso porque gosto de testar outras marcas, porque as necessidades mudam e as novidades são muitas.

Há algum tempo comecei a prestar mais atenção na composição dos alimentos que consumo. Para mim é claro que quanto menos artificial, melhor. Quando reparei que os meus cabelos estavam sem brilho e que nenhum dos produtos que comprava no supermercado estavam reparando isso, resolvi levar a mesma filosofia natural para a cabeça.

Pesquisando, descobri que a Klorane é uma das queridinhas das francesas e não entendi o motivo de ainda não ter experimentado. A marca está presente no mercado há 50 anos e faz parte dos laboratórios Pierre Fabre. Ativos vegetais são o principal ingrediente dos produtos. Aconselhada pela atendente da farmácia, escolhi a linha feita a base da flor magnólia.

Shampoo Klorane de Cera de Magnólia (7,79€, 400 ml): “Associação única de cera de magnólia e de um complexo ativador de brilho exclusivo, sua fórmula reunifica as escamas e alisa a superfície do cabelo para refletir plenamente a luz”. 

Primeiras impressões

Acostumada com o visual cada vez mais elaborado das embalagens das marcas de cosméticos mais “tradicionais”, a simplicidade da estética Klorane pode parecer estranha, porém já deixa claro o conceito da marca: menos é mais. Sou daquelas que não consegue usar um shampoo X e um condicionador Y, então já fui logo comprando tudo da mesma linha (tamo junto? hahaha). Desconfiei um pouco da eficiência da máscara (13,50€), porém gostei de ter uma mini embalagem de condicionador (6,85€) porque ele sempre acaba depois do shampoo.

É bom?

Estou usando desde o fim de outubro e estou apaixonada. Mesmo depois de pintar o cabelo, ele continuou macio e luminoso – sim, consegui o brilho que tanto queria! Pouco produto é o suficiente e o bônus é que ele também ajuda a desembaraçar as madeixas. Ficou muito fácil pentear o cabelo depois do banho. Não gostei muito do cheiro. Não é ruim, mas também não é bom. Hahaha. Mas no cabelo fica melhor, beeem suave. A máscara realmente dá um boost na hidratação. Sabe o que eu gosto de fazer? Ao invés de deixar só os cinco minutos indicados na embalagem, eu a coloco no cabelo seco durante a manhã (claro que num dia que sei que não vou precisar sair de casa kkk) e só lavo à noite.

Virei fã da marca e não vejo a hora de testar outras linhas. Também já ouvi falar bem do shampoo seco. Sou fã do Batiste e estou curiosa para saber se vou achar um substituto.

Acho que shampoo (e cia) é muito pessoal. O que dá muito certo para mim pode não funcionar para outra pessoa, mas sempre vale tentar, né? Vocês usam sempre os mesmos produtos nos cabelos ou gostam de mudar como eu? Me contem nos comentários quais são os seus favoritos!

Continue Reading

Wishlist de Natal

Não tem como não fazer uma wishlist de Natal, né? Infelizmente com a mudança veio um espaço mais enxuto e não cabe mais nem um par de Havaianas no meu armário! Hahaha Mesmo estando naquela fase em que não me incomodaria nem um pouco em começar o guarda-roupa do zero, o projeto vai ter que ficar para o futuro porque no momento “não está dando”. O único lugar onde racionalmente cabe mais coisas é na minha gavetinha de maquiagens. Por isso estou focando em coisas pequenas que podem, literalmente, ser enfiadas em qualquer cantinho raro!

Vem conferir os produtos que estão na minha lista de desejo deste Natal.

 wishlist_natal

1. Bolsa Love Moschino por 219€

2. Máscara de cílios Grandiôse Extrême da Lancôme por 31,95€

3. Paleta de sombras Naked Smoky da Urban Decay por 51,00€

4. Remember: Sweater de gola alta Tommy Hilfiger x Gigi Hadid de 129€ por 103€

5. Luvas 3 em 1 (cor cinza e preto) da Me + Em por 79£

6. Vela Jo Malone (não lembro do perfume que gostei na loja! Suspense!) por 50€

7. Iluminador MaryLou da TheBalm por 20,50€

Eu sei que disse que não cabe mais nada no armário e mesmo assim pedi uma bolsa. O segredo é colocar uma dentro da outra para economizar espaço! Hahaha

Gostaram dos pedidos? E olha que nem coloquei os clássicos sempre bem vindos: batom, lápis labial, esmalte (aqui é tão caro comparado com o Brasil que vira item desejado! kkk) e qualquer outra novidade de beleza. O que vocês querem descobrir no pé da árvore de Natal de vocês neste ano? Me contem nos comentários!

Continue Reading

Gratidão: Porquê quero celebrar o Thanksgiving

Numa casa onde já há a mistura das culturas e celebrações brasileiras e francesas, é de se imaginar que o nosso calendário não precise de mais nenhum complemento. Mas sempre achei o conceito do Thanksgiving (o Dia de Ação de Graças) tão importante que quero integrá-lo aos valores da minha família. Isso com o objetivo de reunir as pessoas queridas (quando possível), de cozinhar e compartilhar uma refeição gostosa (mas sem tanto exagero!) e de ter pelo menos um dia para agradecer (a Deus, ao universo, ao destino…) as graças que temos.

Para este primeiro ano, preciso admitir que esqueci que era hoje (hahaha) então vai ter que ser um Thanksgiving na base do improviso. Não vai ter preparação, jantar charmoso ou enfeites especiais. Infelizmente também vamos estar sem os nossos familiares e esse não vai ser o único ano. Porém vamos ter um ao outro e vamos agradecer por isso. Vamos apreciar sentarmos à mesa juntos e comermos tranquilamente, relembrando a nossa história, agradecendo as conquistas e fazendo planos para o futuro.

2016 ficará como sendo um ano marcado por grandes lutas e conquistas. O mestrado, o casamento e a mudança são apenas algumas delas. Temos que parar um pouco e contemplar o que fizemos. Mesmo se a realidade não é bem aquela que gostaríamos. Porque a verdade é que somos privilegiados por termos saúde, educação, estrutura e amor a nossa volta. E hoje é um dia para celebrar isso.

Continue Reading
1 2 3 5